RSS

Arquivo da tag: alternativa

Vida alternativa

Texto vencedor  do Concurso Texto FENAE 2012 –  Tema: Mulheres Vencedoras

Por YRCamargo

 

Segunda-feira, ressaca do fim de semana. Fecho os olhos com força tentando ignorar a luz do sol que entra pela janela. Flashes do fim de semana passam por minha cabeça, vejo tudo o que ficou e o que se foi, aquilo que agora é apenas pensamento. Com um sorriso bobo nos lábios resolvo levantar e encarar mais um dia.

Meu nível de chocolátria está abaixo do normal, então tão logo estou de pé já me atiro à minha barra de chocolate de cabeceira. Não descansei o suficiente à noite, então ainda estou com sono, cansada, sem fome e com saudades. Sinto saudades de nossos risos e sorrisos, saudades das loucuras que cometemos, dos momentos, das bobagens, da alegria e da vida simples e sem problemas que vivo quando estou ao lado dele. Quando estamos juntos me sinto literalmente nas nuvens, acima de tudo e de todos.

Esqueço-me da chefe mal caráter, das colegas falsas e dos clientes ignorantes. Não há cobranças nem dívidas a pagar. Quando estamos juntos é como se contos de fadas existissem e eu vivesse num mundo encantado. Já sinto saudades das horas que passam sem parecer passar, pois quando estamos juntos o tempo não existe. Já sinto falta da felicidade, do que é ser especial, de um ser especial que surgiu a poucos dias em minha vida, mas espero que fique se não pra sempre, pelo menos por um bom tempo, tempo que aproveitarei para ser mais feliz.

Ainda tenho um tempo antes de sair para meu martírio diário, que reluto chamar de trabalho. Aproveito para organizar a vida de verdade, tomar decisões, analisar o rombo do final de semana, afinal, são ingressos, maquiagens, restaurantes, alegria, transporte, roupas, tudo quanto pode parecer não ter preço, mas tudo com seu custo.

Felizmente há semanas meus balanços dos fins de semana sempre são positivos, custe o que custar. Cada vez mais sinto que há esperança para minha vida. A cada nova emoção, cada nova sensação, a cada novo lugar que conheço, coisas novas que descubro e as surpresas que jamais poderia esperar. Cada fim de semana melhor que o anterior, mas pior que o posterior.

As dores, o sono, o cansaço, tudo é transpassado pelo saber que valeu a pena cada segundo, cada instante e cada minuto. Cada olhar trocado, por segundos ou por horas, cada hora não dormida, não descansada e não comida. Toda dor e mal estar não demonstrados, tudo o que superei e suportei. Agora me reavivei e vivo da esperança de que tudo não se acabe.

E é neste momento que todo sonho vira pesadelo, quando a expressão dos sentimentos e o medo de errar se somam num turbilhão de receios e maus pressentimentos. A vida que escolhi seguir impede que eu possa ser feliz com a vida que desejo seguir. Por mais que eu ache que as coisas poderiam dar certo, poderiam ser melhor, é como se despertasse de um sonho e me encontrasse no meio de um pesadelo real. Como eu queria que tudo fosse diferente agora.

Se ao menos eu tivesse a força e a coragem que preciso para desistir dessa minha vida alternativa. Mas coragem sempre me faltou e por isso escolhi o caminho mais fácil, embora possa parecer mais duro para muita gente. Então só me resta ter esperança de que meu príncipe me aceite como eu sou. Príncipe, acho que posso chamá-lo assim, porque é o que espero, um príncipe que venha me resgatar desta vida de imundícia que levo, que me aceite como eu sou e me dê a força e a coragem que preciso para me livrar dos meus erros do passado e do presente.

Saio então para trabalhar e sem perceber já estou sonhando novamente. Sonho com a aceitação, com a felicidade e com minha liberdade verdadeira. Fecho os olhos e me preparo para encarar mais um dia, tendo que viver na profissão que escolhi, porque é só o que me resta, já que minha família, amigos e agora meu amor, ninguém sabe o que realmente eu sou. Infelizmente ninguém aceitaria a vida que eu levo, pois pra falar a verdade, nem eu mesma consigo aceitar. Minha profissão? Garota de programa.

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em junho 19, 2012 em CRÔNICAS E CONTOS

 

Tags: , , , , ,